Monthly Archives: dezembro 2016

São Lourenço da Mata ressalta a construção do PPP de forma participativa

A formação de grupos de estudos permanentes, para subsidiar as equipes escolares, foi fundamental para o êxito do Programa Primeiro a Infância em São Lourenço da Mata, sobretudo na etapa de reformulação dos PPP, pontuou Marize das Graças da Silva Duarte, técnica da divisão de Educação Infantil da Secretaria Municipal de Educação (SME), no seminário em Olinda.
 
Ela ressaltou ainda a “melhor articulação com a rede, orientando as escolas através de documentos norteadores”. A elaboração de um documento norteador, específico de São Lourenço da Mata, para a reformulação dos PPP, foi um momento especialmente rico na interação entre a Secretaria Municipal de Educação e a rede, completou Marize Duarte.
 
Como decorrência do processo, complementou Mirian José Bandeira da Silva, também técnica da divisão de Educação Infantil da SME, houve uma maior compreensão do papel da SME em relação às ações da rede escolar. E o ponto central, afirmou, foi a ampliação do conhecimento sobre como elaborar um PPP “reflexivo e participativo”.
 
A mobilização pelas escolas - A gestora da Escola Municipal Jair Pereira de Oliveira, Hiliana Alves dos Santos Nascimento, indicou as estratégias usadas para a mobilização da comunidade na confecção do PPP, como o envio de convites aos pais e setores como grupos religiosos e policiamento, a realização de café da manhã e almoço de recepção aos pais e preparação da escola com cartazes informativos. No diagnóstico, foi fundamental a “escuta qualificada das crianças”, acrescentou.
 
Na Escola Municipal Professor Alfredo Dias de Oliveira, houve reuniões com a comunidade escolar e escuta de toda a comunidade. Entre as prioridades apontadas, evidenciou a coordenadora Eurilene Maria de Barros, a melhoria no fornecimento de água, a viabilização de espaço para atividade física e a ampliação do acervo de livros e busca de maior participação das famílias na escola.
 
O incentivo à participação dos pais e comunidades nos Conselhos Escolares é essencial para a sustentabilidade das ações, afirmou Marize Duarte, técnica da SME. Também é fundamental o acompanhamento da execução dos Planos de Ação contidos nos PPP por parte dos Conselhos da Educação e Conselhos Escolares, completou Mirian da Silva.
 
A valorização do brincar e da cultura local e a reiteração da importância da participação da família e da comunidade na escola são aspectos evidenciados pelo Programa Primeiro a Infância, diz Marize, resumindo sentimento comum nos três municípios parceiros. Todos ressaltando a riqueza do processo de construção coletiva, no momento da discussão dos Planos Municipais de Educação e, sobretudo, na reformulação do PPP das unidades escolares.
 
 
 
 

15/12/16|

Camaragibe evidencia o papel do diagnóstico na formulação de um novo PPP

A coordenadora de Educação Infantil da Secretaria Municipal de Educação de Camaragibe, Adriana Santos Silva, acentuou no seminário no Centro de Convenções de Pernambuco, dia 7 de dezembro, que entre os aprendizados do Programa Primeiro a Infância está a mudança na forma de elaboração e revisão do Projeto Político Pedagógico das escolas. “O processo participativo torna o PPP muito mais rico e com sentido, pois todos se sentem mais responsáveis pela escola”, comentou. A importância da organização de momentos de estudo, com a participação de toda a equipe técnica da Secretaria Municipal de Educação (SME) e das próprias escolas, é outro aprendizado importante, acrescentou.
 
Na sua opinião, a Política Municipal de Educação Infantil de Camaragibe sai muito mais fortalecida após o Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade. Adriana Santos Silva entende que o Programa permitiu “uma maior articulação com as escolas através do quadro orientador, organizado para nortear os estudos” sobre os temas abordados, como concepção de educação infantil, legislação e outros.
 
Escolas comentam trajetória – O Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) Judith Maria Brasil da Rocha foi uma das escolas de Camaragibe que apresentaram suas experiências, evidenciando a importância do diagnóstico na construção do PPP. Segundo a diretora Ana Cláudia Xavier da Silva, foi determinante, para assegurar a participação, a realização de escutas com pais, professores, estagiários, funcionários e, principalmente, crianças sobre o que mais gostam na escola e o que querem que tenham a mais. Também houve, na fase de diagnóstico, uma pesquisa com moradores da comunidade sobre o histórico do bairro e da escola, acentuou.
 
O CMEI Manoel Rito e a Escola XV de Novembro também relataram suas experiências. O momento inicial foi uma reunião com a comunidade escolar das duas escolas, incluindo pais e representantes da sociedade civil. Em seguida, a divisão dos participantes em grupos de acordo com as unidades escolares. E depois as discussões sobre as necessidades apontadas no diagnóstico das escolas, ressaltou a gestora do CMEI Manoel Rito, Elissandra Marçal Serafim de Santana.
 
A disponibilização de segurança e a ampliação do acervo de livros infantis e brinquedos foram reivindicações apontadas pela comunidade do CMEI Manoel Rito. Adequação da estrutura da escola, oferecimento de espaço para atividade física, disponibilização de segurança e reativação do banco de areia foram pedidos feitos no momento do diagnóstico da EM XV de Novembro, lembrou a sua diretora, Carla Viviane.
 
A sustentabilidade das ações do Programa Primeiro a Infância em Camaragibe estará assegurada, disse a coordenadora Adriana Santos Silva, entre outros fatores com a garantia, no calendário escolar, de realização de reuniões para acompanhamento e avaliação do Plano Municipal de Educação e dos PPP. O fortalecimento do Conselho Escolar, como indutor da participação social na escola, é outro elemento importantíssimo, sublinhou.
 
A secretária municipal de Educação de Camaragibe, Adriana Cecília Dantas, que participou ativamente de todas as etapas do Programa Primeiro a Infância no município, ressaltou que, após o Programa Primeiro a Infância, “o PPP não será mais como era, um documento que às vezes ficava engavetado. Com todos participando, ele é um símbolo do que a comunidade deseja. O monitoramento de sua execução continuará sendo feito assim”, acredita a secretária.
 
 
 
 

15/12/16|

Cabo de Santo Agostinho destaca a organização da equipe pedagógica e formação de rede

Em sua exposição no seminário do dia 7 de dezembro, em Olinda, a gerente de Ensino da Secretaria Municipal de Educação de Cabo de Santo Agostinho, Benedita Verônica Gomes da Costa, detalhou como foi o trabalho conjunto com a gerência de Gestão Democrática para viabilizar a execução do Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade.
 
Ela destacou que foi necessária a estruturação de uma “rede colaborativa” para a viabilização das duas fases do Programa. Além disso, observou, foi essencial a postura de “estar aberto à aprendizagem, a permanecer em constante formação”. “É preciso ainda entender de políticas públicas, compreender os programas, projetos, ações e atividades que são desenvolvidas no âmbito da rede municipal de ensino”, acrescentou.
 
Por sua vez, a gerente de Gestão Democrática da Secretaria Municipal de Educação (SME), Analice Pereira de Souza, evidenciou o desafio representado pela existência de uma ampla rede de escolas em Cabo de Santo Agostinho, composta por 97 unidades. A solução encontrada para o total envolvimento de todas as escolas foi agrupá-las. As técnicas da SME se dividiram, então, para acompanhar o trabalho de cada grupo de escolas.
 
Analice enfatizou ainda, como um dos aprendizados deixados pelo Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade, a relevância que a construção participativa do PPP adquire, “enquanto conteúdo de formação da equipe técnica e equipe escolar”.
 
Experiência das escolas – O Centro de Educação Infantil (CEI) da Torrinha e a Escola Municipal Padre Henrique Vieira foram as unidades de Cabo de Santo Agostinho que apresentaram suas experiências. A gestora da EM Padre Henrique vieira evidenciou a especificidade de construção do PPP em uma escola localizada em comunidade quilombola, no Engenho Trapiche. Cartazes informativos, banners na área externa da escola e diálogo com mães/responsáveis no início do turno foram algumas estratégias utilizadas para sensibilizar e mobilizar a comunidade para a construção do PPP, completou.
 
A gestora do CEI da Torrinha, Carmen Dolores, ressaltou por sua vez a relevância da construção do diagnóstico da escola e da comunidade onde está inserida, como primeiro passo da reformulação do PPP. A aplicação do questionário junto aos pais e responsáveis foi um momento especialmente rico, revelou. O questionário continha perguntas permitindo uma avaliação da percepção das famílias sobre as escolas.
 
A gerente de Ensino Benedita Verônica Gomes da Costa entende que a sustentabilidade do Programa Primeiro a Infância em Cabo de Santo Agostinho estará garantida com ações como “um trabalho conjunto das Gerências de Ensino e de Gestão Democrática, num contexto de uma rede colaborativa”. A gerente de Gestão Democrática Analice Pereira de Souza ressalta por sua vez a necessidade de homologação do Projeto Político Pedagógico das unidades de Educação Infantil, em consonância com o Plano Municipal de Educação. “Nunca mais a construção do PPP será da mesma forma em Cabo de Santo Agostinho, porque o Programa mostrou que é possível fazê-lo de forma participativa”, completa Benedita Verônica Gomes da Costa.
 
 
 
 

15/12/16|

Seminário enfatiza papel do Projeto Político Pedagógico na educação infantil

A construção do Projeto Político Pedagógico (PPP) das unidades escolares, de modo efetivamente participativo, é um elemento relevante para a busca da qualidade na Educação Infantil. Esta constatação ficou evidenciada no seminário realizado no dia 7 de dezembro, no Centro de Convenções de Pernambuco, em Olinda, que discutiu os aprendizados do Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade.
 
O Programa é implementado desde 2015 em três municípios pernambucanos, por iniciativa do Fundo Juntos pela Educação, constituído por Instituto Arcor Brasil e Instituto C&A. Os municípios de Cabo de Santo Agostinho, Camaragibe e São Lourenço da Mata, os três na Região Metropolitana de Recife, são o território de desenvolvimento do Programa, criado com o objetivo de contribuir com a qualidade da educação infantil nos municípios parceiros.
 
Mais de 400 educadoras e gestoras em Educação Infantil participaram do evento no Centro de Convenções de Pernambuco, sobretudo dos municípios parceiros mas também de outros municípios da Região Metropolitana de Recife. O seminário foi coordenado pela Oficina Municipal, organização contratada pelo Fundo Juntos pela Educação para a implementação do Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade.
 
Fases do Programa Primeiro a Infância – O momento inicial de contribuição do Programa, como lembrou Gustavo Adolfo Santos, da Oficina Municipal, foi na elaboração do que os respectivos Planos Municipais de Educação estavam tratando sobre Educação Infantil. Pelos termos do Plano Nacional de Educação, de 2014, os Planos Municipais de Educação (PME) deveriam estar concluídos e aprovados pelas Câmaras Municipais até 24 de junho de 2015.
 
Construídos ou reformulados e promulgados os Planos Municipais de Educação, com princípios e metas para os próximos dez anos, foi definido o Projeto Político Pedagógico (PPP) como o instrumento que colocaria em prática, nas escolas, o que os PME estabeleceram, embora os Planos sejam ainda mais abrangentes do que isso. Este foi o segundo momento do Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade.
 
“É na escola que o Plano Municipal de Educação realmente é colocado em prática e o PPP foi escolhido porque ele é um instrumento de gestão que permite a participação de todos, da equipe gestora, dos educadores, dos funcionários, das famílias e dos alunos, na discussão sobre o que a unidade escolar pensa sobre si e projeta para os próximos anos”, afirma Oneide Ferraz Alves, responsável na Oficina Municipal pela coordenação técnica do Programa.
 
No seminário do dia 7 de dezembro, representantes das Secretarias de Educação de cada um dos três municípios relataram como foi a trajetória de implementação do Programa Primeiro a Infância entre 2015 e 2016. Além disso, duas escolas de cada um dos três municípios mostraram como foi especificamente a implementação do Programa nessas unidades, com ênfase na reformulação dos respectivos Projetos Político Pedagógicos (PPP), em seus três aspectos principais: (1) Elaboração de Diagnóstico, (2) Mobilização e participação da comunidade e (3) Construção do Plano de Ação a ser seguido por cada unidade de educação infantil. Neste momento de apresentação das escolas, ficou ainda mais evidenciado o papel estratégico do PPP, construído de forma participativa, na busca da qualidade da Educação Infantil.
 
Importância do PPP para a Educação Infantil – Além do depoimento dos representantes dos três municípios parceiros, o seminário em Olinda teve a participação de convidados que reiteraram o papel estratégico do PPP, se tratado como um documento vivo, resultante de um amplo processo de participação de toda a comunidade escolar, na procura de uma Educação Infantil de Qualidade.
 
Gustavo Amaral foi o representante, no evento, da seccional de Pernambuco da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime). Ele citou Michael Young, a respeito da diferença entre “o conhecimento poderoso e o conhecimento dos poderosos”, como o educador inglês comentou no texto “Para que servem as escolas”.
 
“Ao contrário do conhecimento dos poderosos, construído de cima para baixo, temos o conhecimento poderoso, construído por todos e que empodera as pessoas. A construção participativa do Projeto Político Pedagógico, como foi implementado no Programa Primeiro a Infância, é um exemplo de conhecimento poderoso”, comparou Amaral.
 
O assessor educacional da Undime destacou ainda a relevância da educação infantil, como primeira etapa do sistema educacional brasileiro, que na sua opinião merece um olhar muito mais atento da sociedade e dos poderes públicos. Ele informou ter participado em Brasília, no dia anterior ao seminário em Olinda, do evento que divulgou os resultados do PISA-2015.
 
Realizado pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (PISA, na sigla em inglês) faz uma avaliação comparada, aplicada a estudantes de 15 anos de dezenas de países. Esta é a idade em que é pressuposto o término da escolaridade básica obrigatória na maioria dos países.
 
O PISA-2015 mostrou que os estudantes brasileiros nessa faixa etária continuam com proficiência menor do que os colegas dos outros países. O Brasil ficou em 63º lugar em Ciências, 59º em Leitura e 66º em Matemática, em um conjunto de 72 países avaliados.
 
Para Gustavo Amaral, os resultados do PISA-2015 confirmam que o Brasil precisa caminhar muito na educação escolar, começando na Educação Infantil, daí a importância de iniciativas como o Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade. Para ele, “a tríade Plano Municipal de Educação, Projeto Político Pedagógico e Educação Infantil” tem enorme potencial de resultados.
 
Também esteve no seminário Célia Santos, coordenadora da Rede Estadual de Apoio Técnico ao Monitoramento e Avaliação dos Planos Municipais de Educação em Pernambuco. Ela observou que os Planos Municipais de Educação enfatizam o acesso das crianças à Educação Infantil, mas também pressupõem a qualidade da Educação Infantil oferecida. A construção do Projeto Político Pedagógico das unidades de Educação Infantil de forma participativa, na sua opinião, contribui para reafirmar as concepções de Educação Infantil apontada em vários documentos, como a proposta da Base Nacional Comum Curricular, e também por movimentos sociais.
 
Um dos momentos mais emocionantes do seminário no Centro de Convenções de Pernambuco foi a ciranda, que envolveu a todos os presentes, coordenada por Cida Freire – assessora do Programa Primeiro a Infância – e por Adelsin, pesquisador em cultura popular e que ressaltou a relevância de maior atenção para as manifestações culturais típicas de Pernambuco, como formadoras da identidade cultural das crianças. Uma metáfora para o processo participativo na reformulação do PPP das unidades de Educação Infantil nos três municípios parceiros, marca central do Programa Primeiro a Infância, como comprovou o evento em Olinda.
 
 
 
 

15/12/16|