Principal

Fundo Juntos pela Educação soma 13 anos de programas inovadores

No dia 13 de agosto serão lembrados os 13 anos da reunião de representantes do Instituto Arcor Brasil e Instituto C&A com a diretoria do fundo Vitae, para a formalização do acordo de cooperação pela constituição do Fundo Juntos pela Educação. Nesses 13 anos o Fundo implementou programas inovadores, de modo a contribuir com avanços na Educação no Brasil.
 
Mais de 40 mil crianças e adolescentes já foram beneficiados com as ações do Fundo Juntos pela Educação, em quatro estados da federação: Ceará, Paraíba, Pernambuco e São Paulo. Outros milhares de adultos estiveram envolvidos nos programas e projetos desenvolvidos.
 
O Fundo Juntos pela Educação foi efetivamente constituído em 24 de agosto de 2004, pelo Instituto Arcor Brasil, Instituto C&A e Vitae – Apoio à Cultura, Educação e Promoção Social. A missão do Fundo é prover recursos e estabelecer alianças para a educação de crianças, adolescentes e jovens.
 
Os parceiros decidiram então que a primeira iniciativa do Fundo seria o Programa pela Educação em Tempo Integral, que daria continuidade, com outro formato, ao Programa de Apoio a Projetos de Educação Complementar para Crianças e Adolescentes de 7 a 16 anos, que a organização Vitae apoiou desde 1997. O Programa de Vitae viabilizava o suporte a projetos de parceria entre uma escola pública e uma ONG do bairro.
 
Em sete edições, até 2003, o Programa de Vitae deu respaldo a 94 projetos, com 24.800 beneficiários. A iniciativa começou com o apoio a projetos na Grande São Paulo e, depois, foram respaldados projetos no Interior, pela atuação de novos parceiros. Desde a Quinta Edição, em 2001, o Programa passou a ter a contribuição da Arcor do Brasil. Na Sexta Edição, novos parceiros foram incorporados: o Instituto C&A e a FEAC, que já tinham atuado na Quinta Edição como membros do comitê de análise de projetos.
 
Com a constituição do Fundo Juntos pela Educação, em 2004, os horizontes do Programa de VITAE foram ampliados. O Programa pela Educação em Tempo Integral passaria a contemplar não apenas a aliança entre uma escola e uma ONG, mas a constituição de redes entre vários ativos de uma comunidade específica.
Os dois territórios escolhidos para o desenvolvimento do Programa foram a cidade de Campinas, no interior de São Paulo, e a Região Metropolitana de João Pessoa, na Paraíba. Foram três edições do Programa pela Educação em Tempo Integral, entre 2006 e 2010. No total, cerca de 100 organizações diferentes envolvidas.
 
Entre 2011 e 2013, foi desenvolvido o Segundo Ciclo do Programa pela Educação Integral, com apoio a sete projetos, quatro no Ceará e três em Pernambuco, envolvendo mais de 70 organizações. O foco passou a ser, nesse período, a promoção da educação integral, considerando todas as dimensões necessárias para o desenvolvimento humano.
 
Concluído esse ciclo, agora sem a participação de Vitae, que encerrou suas atividades em 2005, os parceiros – Instituto Arcor Brasil e Instituto C&A – deliberam pela criação de uma nova iniciativa, na área da educação infantil. A percepção foi a de que uma educação integral começa com uma educação infantil de qualidade, um grande desafio no Brasil contemporâneo.
 
Essa nova ação é o Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade, que tem sido desenvolvido no sentido de colaborar com os municípios parceiros na qualificação de suas políticas municipais de Educação Infantil, respeitando os instrumentos previstos na legislação brasileira e os respectivos Planos Municipais de Educação.
 
Os municípios parceiros são Cabo de Santo Agostinho, Camaragibe e São Lourenço da Mata, na Região Metropolitana de Recife (PE). A Oficina Municipal foi contratada para coordenar e implementar o Programa Primeiro a Infância nos três municípios.
 
A primeira fase de contribuição do Programa foi na elaboração do que os respectivos Planos Municipais de Educação estavam tratando sobre Educação Infantil. Pelos termos do Plano Nacional de Educação, de 2014, os Planos Municipais de Educação (PMEs) deveriam ser elaborados ou revistos e depois aprovados pelas Câmaras Municipais até 24 de junho de 2015.
 
Construídos e promulgados os Planos Municipais de Educação, com princípios e metas para os próximos dez anos, foi definido, em conjunto com os municípios, o Projeto Político Pedagógico (PPP) como o instrumento que colocaria em prática, nas escolas, o que os PMEs estabeleceram para a melhoria da qualidade do trabalho realizado com as crianças da educação infantil.
 
A segunda fase do Programa foi então a reconstrução do Projeto Político Pedagógico (PPP) de cada unidade de educação infantil nos três municípios, incluindo o Plano de Ação para que o PPP seja implementado. A implementação dos PPP reelaborados começou no primeiro semestre de 2017. O Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade continuará com o apoio técnico aos três municípios parceiros.
 
São 13 anos, portanto, de contribuições do Fundo Juntos pela Educação para a educação brasileira, com programas e projetos inovadores, participativos e em sintonia com a legislação e novas tendências educacionais.
 
 
 
 

01/08/17|

Programa Primeiro a Infância prossegue em Pernambuco

Tiveram prosseguimento no mês de junho as atividades do Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade, implementado pelo Fundo Juntos pela Educação nos três municípios parceiros em Pernambuco: Camaragibe, Cabo de Santo Agostinho e São Lourenço da Mata.
 
O Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade tem sido desenvolvido no sentido de colaborar com os municípios parceiros na qualificação de suas políticas municipais de Educação Infantil, respeitando os instrumentos previstos na legislação brasileira e os respectivos Planos Municipais de Educação.
 
Em junho, a equipe gestora municipal de São Lourenço da Mata promoveu a sintetização das metas dos Planos de Ação referentes aos Projetos Político Pedagógicos reformulados por todas as unidades de Educação Infantil do município.
 
Nos dias 19 e 20 de junho, aconteceu a sistematização dos Projetos Político Pedagógicos das creches conveniadas em Cabo de Santo Agostinho. Apenas em Camaragibe não aconteceram ações em junho, ligadas ao Programa Primeiro a Infância.
 
A sistematização dos Projetos Político Pedagógicos e de seus respectivos Planos de Ação é fundamental para que cada município defina as suas prioridades de atuação, a serem inseridas em seu Plano Plurianual 2018-2021. Essas prioridades devem estar alinhadas com o Plano Municipal de Educação desses municípios.
 
Os três municípios parceiros do Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade estão localizados na Região Metropolitana de Recife, muito atingida por fortes enchentes entre o final de maio e o início de junho de 2017. Mobilizações relacionadas ao atendimento a vítimas das enchentes também aconteceram nos três municípios parceiros.
 
O Programa vem sendo executado desde 2015, pelo Fundo Juntos pela Educação, formado por Instituto Arcor Brasil e Instituto C&A. A Oficina Municipal foi contratada para coordenar e implementar o Programa Primeiro a Infância nos três municípios.
 
 
 
 

28/06/17|

Encontro consolida avanços no Programa Primeiro a Infância

Um encontro no dia 18 de maio, em Recife, marcou a consolidação dos avanços verificados no Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade, do Fundo Juntos pela Educação. O evento reuniu membros das redes de Educação Infantil dos municípios parceiros: Cabo de Santo Agostinho, Camaragibe e São Lourenço da Mata. Estiveram presentes os respectivos secretários municipais de Educação.
 
O tema principal do encontro, realizado no Golden Tulip Hotel, foi a “Elaboração do Plano Plurianual (PPA) 2018-2021 – Visão de um especialista em Planejamento Governamental, abordando a inclusão das metas dos Projetos Político Pedagógicos (PPP) e Plano Municipal de Educação (PME) no PPA 2018-2021”. O especialista convidado foi Fernando Coelho, professor-pesquisador da Universidade de São Paulo.
Os objetivos específicos do encontro eram: 1. Aumentar a articulação entre as equipes gestoras das secretarias de Educação e Planejamento dos municípios; 2. Entender os principais aspectos do PPA e das peças orçamentárias, como instrumentos de gestão pública; 3. Entender como traduzir as ações planejadas em programas/projetos do PPA; 4. Entender o processo de execução do PPA na Lei de Diretrizes Orçamentárias – LDO.
 
O encontro foi aberto com uma apresentação do Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade, pela equipe da Oficina Municipal, contratada pelo Fundo Juntos pela Educação para coordenação e implementação do Programa. Também se manifestaram as representantes do Instituto Arcor Brasil, Milena Drigo Azal, e do Instituto C&A, Janine Schultz.
 
Em seguida foi apresentado um vídeo editado pela Oficina Municipal especialmente para o encontro a partir da videoconferência sobre as peças orçamentárias produzido pela União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) no âmbito do Conviva, no qual discute a importância do Plano Plurianual na gestão municipal da Educação. O vídeo reunia depoimentos do prefeito e secretária municipal de Educação de Costa Rica, município do Mato Grosso, a respeito da importância do alinhamento e do trabalho em conjunto entre as secretarias de Educação e Planejamento, no momento da elaboração do PPA.
 
Ficou evidente que a obrigação de planejar não se restringe apenas à Secretaria de Planejamento, pois também deve envolver toda e qualquer Secretaria e/ou Diretoria de uma gestão municipal. Portanto este vídeo introdutório foi uma forma de sensibilização e incentivo para introduzir a apresentação do professor Fernando Coelho.
 
O professor iniciou sua fala de forma simples, coerente e entusiasmada, contagiando todos os participantes a interagir do começo ao fim. Para tanto, o primeiro passo foi uma roda de conversa, na qual os convidados tinham que definir em uma palavra o que entendiam por planejamento, o que proporcionou uma excelente dinâmica interativa e demonstrando as diversas interpretações e nuances do planejamento em cada uma das realidades, cargos e visões.
 
Após o almoço, foi retomado o raciocínio presente na exposição do professor Coelho, principalmente no que diz respeito à interlocução entre planos, instrumentos e secretarias, com o fluxograma da dinâmica entre PPP – PME – PPA. Concluindo esta retomada e fixação dos conhecimentos, a coordenadora do Programa Primeiro a Infância pela Oficina Municipal, Oneide Ferraz, deu início à nova dinâmica proposta.
 
A nova dinâmica proporcionou um momento de reflexão sobre a fase na qual cada município se encontra, frente à proposição de incluir as metas dos Planos de Ação dos PPP das unidades de Educação Infantil no PPA 2018 – 2021. Cada um dos municípios pôde sentar com toda a equipe presente e debater intensivamente por 40 minutos sobre o que fizeram até o momento, como deveriam estar e quais os próximos passos, para então conseguir apresentar algo mais concreto para as secretarias de Educação e Planejamento.
 
No conjunto, o encontro do dia 18 de maio foi muito produtivo e esclarecedor, sobre a complexidade da gestão municipal da Educação e, mais especificamente, da Educação Infantil. Ficou evidente a importância da construção participativa dos Projetos Político Pedagógicos de cada unidade de Educação Infantil dos municípios, de um Plano de Ação para a sua implementação, de forma alinhada com o Plano Municipal de Educação. Entretanto, para que o Plano de Ação possa ser executado, ele deve ter suas premissas inscritas no Plano Plurianual do município de forma a assegurar recursos financeiros para essa finalidade.
 
Tratou-se, portanto, de mais uma contribuição do Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade, no sentido de colaborar com os municípios parceiros na qualificação de suas políticas municipais de Educação Infantil, respeitando os instrumentos previstos na legislação brasileira. Nesse sentido, o encontro consolidou os avanços já verificados no contexto do Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade.
 

29/05/17|

Programa Primeiro a Infância continua com encontro regional

O primeiro encontro regional de 2017, realizado em Recife em março, marcou a continuidade do Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade, do Fundo Juntos pela Educação. O encontro reuniu representantes dos três municípios pernambucanos parceiros: Cabo de Santo Agostinho, Camaragibe e São Lourenço da Mata. O Fundo Juntos pela Educação é formado por Instituto Arcor Brasil e Instituto C&A. Um novo encontro está previsto para acontecer dia 18 de maio.
 
No dia 21 de março aconteceu o primeiro encontro do ano reunindo as redes de educação infantil dos três municípios. Foi no Golden Tulip Hotel, em Boa Viagem, Recife, e o evento foi organizado pela Oficina Municipal, contratada pelo Fundo Juntos pela Educação para coordenação e implementação do Programa Primeiro a Infância.
 
O encontro foi idealizado com quatro objetivos principais: 1 – Recuperar a trajetória do Programa Primeiro a Infância; 2 – Apresentar os objetivos do Programa às novas equipes gestoras; 3 – Esclarecer o conceito do Plano de Ação do PPP, sua relação com o diagnóstico e com as metas da escola, a definição de responsabilidades e prazos etc.; 4 – Organizar as atribuições e papéis dos membros das equipes gestoras para acompanhar as ações do Projeto Político Pedagógico (PPP), utilizando os instrumentos construídos com os municípios para esse fim.
 
Em função desses objetivos, o encontro aconteceu em uma sala, organizada de forma a garantir o diálogo entre as redes, com a disponibilização das mesas e cadeiras favorecendo a interação entre os municípios. Os participantes foram recebidos com café de boas-vindas. Compareceram 38 participantes de 45 previstos, sendo 11 do município de Camaragibe, 21 de Cabo de Santo Agostinho e 6 de São Lourenço da Mata.
 
Após as apresentações dos participantes, Gustavo Adolfo Santos, da Oficina Municipal, apresentou o Programa e suas peculiaridades, objetivos e metodologia. Em sua fala ficaram evidenciados o percurso formativo do Programa e a fase atual. Em seguida, foi exibido parte do vídeo institucional produzido a partir dos trabalhos apresentados pelos municípios, o que oportunizou aos participantes, antigos e novatos, conhecer um pouco mais do Programa.
 
Na apresentação da trajetória dos municípios, foi solicitado que cada representante relatasse sua experiência tendo como fio condutor três eixos do Programa: 1. Aumento da qualidade do atendimento da Educação Infantil (conceitos, práticas, ambientes etc.) segundo as metas do PME; 2. Articulação entre Secretaria de Educação e escolas; 3.Participação da comunidade escolar na discussão do PPP.
 
Para o município de Cabo de Santo Agostinho, a ressignificação do Projeto Político Pedagógico foi a experiência mais relevante. As representantes do município relataram que a elaboração do PPP já era uma prática da rede, em nada se comparando, contudo, ao que hoje a rede incorporou após o primeiro ciclo do Programa Primeiro a Infância. O PPP passou ater outro significado e lugar no planejamento escolar no município.
 
Para Camaragibe, toda parceria começou no contexto de elaboração do Plano Municipal de Educação e isto oportunizou a qualificação das metas e estratégias relacionadas à educação infantil. Dentro do PME do município, a meta 1 foi a que mais teve estratégias, pois a rede foi “estimulada” pelo Programa.
 
Em São Lourenço da Mata, foi destacada a qualificação das concepções sobre criança, educação infantil, brincar e participação social, conceitos cuja assimilação só foi possível a partir das formações realizadas pelo Programa.
 
Após a apresentação de cada representante municipal, a consultora do Programa Primeiro a Infância, Cida Freire, fez seus comentários, destacando o amadurecimento das redes em relação aos objetivos propostos pela iniciativa, em uma perspectiva de avanço na política municipal de educação infantil.
 
O momento seguinte do encontro foi a discussão de como implementar os planos de ação previstos no Projeto Político Pedagógico (PPP) das unidades de educação infantil nos três municípios. Esta será a nova etapa do Programa Primeiro a Infância, ao longo de 2017.
 
Depois do encontro, a equipe da Oficina Municipal fez novas visitas técnicas aos três municípios, entre 23 e 24 de março. Novas visitas técnicas foram realizadas em abril e outras estão previstas para maio, com apoio nas diferentes demandas de cada rede de educação infantil.
 
 
 
 

26/04/17|

Programa Primeiro a Infância tem continuidade em Pernambuco

O Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade, do Fundo Juntos pela Educação, está tendo a sua continuidade em 2017, com as primeiras atividades nos municípios de Cabo de Santo Agostinho, Camaragibe e São Lourenço da Mata. No dia 21 de março foi realizado o primeiro encontro regional, envolvendo representantes dos três municípios.
 
As primeiras ações foram encontros entre a equipe do Fundo Juntos pela Educação e da Oficina Municipal com as novas equipes gestoras das Secretarias de Educação dos três municípios. Os encontros foram necessários em função das mudanças nessas equipes, derivadas das últimas eleições municipais.
 
No dia 20 de fevereiro, foram realizadas reuniões com as novas equipes nos três municípios parceiros. Nos três momentos, Gustavo Adolfo Santos, da Oficina Municipal, fez um relato sobre a implantação do Programa Primeiro a Infância nos respectivos municípios e apresentou o Relatório Geral de Atividades da Fase 2 da iniciativa, com várias atividades previstas para 2017.
 
Os três encontros tiveram a presença – ainda que em tempo parcial – dos novos secretários municipais de Educação e de gerentes ou coordenadores que atuam diretamente com a Educação Infantil. Todos os três municípios demonstraram interesse na continuidade do Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade.
 
Uma deliberação comum nas três reuniões foi pela constituição, pelas novas equipes gestoras da área da Educação, de uma comissão para acompanhar as propostas previstas no Programa, em sintonia com as diretrizes estipuladas nos respectivos Planos Municipais de Educação (PME).
 
Os três municípios parceiros estão em estágio diferente em termos da revisão dos respectivos Projetos Político Pedagógicos (PPP) das unidades de educação infantil. A revisão do PPP foi escolhida como a estratégia para a implementação na prática, nas escolas, do que os Planos Municipais de Educação estabeleceram, embora os PME sejam mais abrangentes. O PPP foi então definido como estratégico por ser um instrumento de gestão, que permite um amplo diagnóstico de cada unidade de educação infantil e, também, a ampla participação de todos os setores das escolas na sua revisão.
 
Este foi o ponto mais enfatizado no encontro com as novas equipes gestoras das secretarias municipais de Educação. Em Camaragibe, todos os PPP já foram homologados, com vigência de 2017 a 2022 e com revisão semestral, conforme o documento norteador também elaborado como uma das ações do Programa Primeiro a Infância. Em Cabo de Santo Agostinho e São Lourenço da Mata, falta a sistematização dos PPP das escolas.
 
Os próximos passos do Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade foram discutidos em novos encontros, no dia 21 de fevereiro, com as novas equipes técnicas de Educação Infantil das secretarias municipais de Educação. Nesses encontros foi registrada a participação de muitas educadoras e técnicas que participaram dos primeiros momentos do Programa Primeiro a Infância, em 2015 e 2016, e que ressaltaram a relevância da revisão dos PPP nas unidades escolares, como fruto de um processo participativo.
 
Nos três encontros com as equipes técnicas foi confirmada a presença no primeiro encontro regional, realizado no último dia 21 de março. A partir desse evento foram estabelecidos os cronogramas e estratégias para a continuidade do Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade, ao longo de 2017, tendo o acompanhamento da execução dos PPP como uma das ações prioritárias.
 
 
 
 

27/03/17|

Programa Primeiro a Infância contribui com Planos Municipais de Educação

Contribuir com a implementação dos Planos Municipais de Educação, em municípios parceiros em Pernambuco, através da homologação e execução do Projeto Político Pedagógico das unidades de educação infantil. Esta será uma das atividades em 2017 do Programa Primeiro a Infância, do Fundo Juntos pela Educação.
 
O Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade tem como objetivo fortalecer o desenvolvimento e a implementação participativa de Planos Municipais de Educação que incorporem políticas de Educação Infantil de qualidade. O Programa já teve duas fases executadas, nos municípios de Cabo de Santo Agostinho, Camaragibe e São Lourenço da Mata, todos na Região Metropolitana de Recife.
 
Na primeira fase, em 2015, houve a colaboração com a construção do Plano Municipal de Educação (PME) nos três municípios parceiros. A segunda fase, entre 2015 e 2016, consistiu na contribuição para a elaboração ou revisão do Projeto Político Pedagógico (PPP) das unidades de educação infantil nesses municípios.
 
O PPP foi escolhido como objeto de trabalho por ser um instrumento que define as prioridades da escola para a melhoria de seu trabalho, além de dialogar com as estratégias dos Planos Municipais de Educação. Os resultados do PPP contribuem para o alcance das metas do PME. Do mesmo modo, o PPP possibilita a ampla participação de alunos, suas famílias, educadores e comunidade em geral na melhoria permanente da educação oferecida pelas unidades escolares.
 
Para 2017, é prevista a continuidade de implementação dos PPP em todas as escolas e centros de educação infantil em Cabo de Santo Agostinho, Camaragibe e São Lourenço da Mata. Para isso o Programa Primeiro a Infância prevê a realização de visitas técnicas e encontros mensais, em Recife e nos municípios parceiros, envolvendo educadores das escolas e as novas equipes nas Secretarias Municipais de Educação.
 
A coordenação técnica do Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade é da Oficina Municipal, organização contratada pelo Fundo Juntos pela Educação, composto por Instituto Arcor Brasil e Instituto C&A.
 
 
 
 

01/03/17|

Programa Primeiro a Infância continua acompanhando PPP

A continuidade do acompanhamento da implementação do Projeto Político Pedagógico (PPP) das escolas de educação infantil dos municípios de Cabo de Santo Agostinho, Camaragibe e São Lourenço da Mata, em Pernambuco. Esta será uma das ações em 2017 do Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade, do Fundo Juntos pela Educação.
 
Em fevereiro, o Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade será apresentado aos novos gestores municipais de Cabo de Santo Agostinho, Camaragibe e São Lourenço da Mata. Houve mudança dos gestores municipais nas três localidades pernambucanas.
 
A apresentação do Programa será feita por representantes do Fundo Juntos pela Educação e da Oficina Municipal. A Oficina Municipal é a organização contratada pelo Fundo para a implementação do Programa Primeiro a Infância, o que vem acontecendo desde o ano de 2015.
 
Entre as atividades para 2017, também está previsto o acompanhamento da elaboração dos Planos Plurianuais dos três municípios, com a inclusão de recursos para metas na Educação Infantil, em conformidade com os respectivos Planos Municipais de Educação.
 
Está previsto, igualmente, o acompanhamento da execução das metas previstas nos PPP reformulados por todas as unidades de educação infantil nos três municípios parceiros. De forma associada está estipulada a continuidade da mobilização do conjunto de escolas em torno dessas metas incluídas nos seus PPP, que foram construídos de forma participativa com as respectivas comunidades escolares, abrangendo gestores, alunos, professores, funcionários, familiares e comunidade do entorno.
 
 
 
 

30/01/17|

Seminário enfatiza papel do Projeto Político Pedagógico na educação infantil

A construção do Projeto Político Pedagógico (PPP) das unidades escolares, de modo efetivamente participativo, é um elemento relevante para a busca da qualidade na Educação Infantil. Esta constatação ficou evidenciada no seminário realizado no dia 7 de dezembro, no Centro de Convenções de Pernambuco, em Olinda, que discutiu os aprendizados do Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade.
 
O Programa é implementado desde 2015 em três municípios pernambucanos, por iniciativa do Fundo Juntos pela Educação, constituído por Instituto Arcor Brasil e Instituto C&A. Os municípios de Cabo de Santo Agostinho, Camaragibe e São Lourenço da Mata, os três na Região Metropolitana de Recife, são o território de desenvolvimento do Programa, criado com o objetivo de contribuir com a qualidade da educação infantil nos municípios parceiros.
 
Mais de 400 educadoras e gestoras em Educação Infantil participaram do evento no Centro de Convenções de Pernambuco, sobretudo dos municípios parceiros mas também de outros municípios da Região Metropolitana de Recife. O seminário foi coordenado pela Oficina Municipal, organização contratada pelo Fundo Juntos pela Educação para a implementação do Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade.
 
Fases do Programa Primeiro a Infância – O momento inicial de contribuição do Programa, como lembrou Gustavo Adolfo Santos, da Oficina Municipal, foi na elaboração do que os respectivos Planos Municipais de Educação estavam tratando sobre Educação Infantil. Pelos termos do Plano Nacional de Educação, de 2014, os Planos Municipais de Educação (PME) deveriam estar concluídos e aprovados pelas Câmaras Municipais até 24 de junho de 2015.
 
Construídos ou reformulados e promulgados os Planos Municipais de Educação, com princípios e metas para os próximos dez anos, foi definido o Projeto Político Pedagógico (PPP) como o instrumento que colocaria em prática, nas escolas, o que os PME estabeleceram, embora os Planos sejam ainda mais abrangentes do que isso. Este foi o segundo momento do Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade.
 
“É na escola que o Plano Municipal de Educação realmente é colocado em prática e o PPP foi escolhido porque ele é um instrumento de gestão que permite a participação de todos, da equipe gestora, dos educadores, dos funcionários, das famílias e dos alunos, na discussão sobre o que a unidade escolar pensa sobre si e projeta para os próximos anos”, afirma Oneide Ferraz Alves, responsável na Oficina Municipal pela coordenação técnica do Programa.
 
No seminário do dia 7 de dezembro, representantes das Secretarias de Educação de cada um dos três municípios relataram como foi a trajetória de implementação do Programa Primeiro a Infância entre 2015 e 2016. Além disso, duas escolas de cada um dos três municípios mostraram como foi especificamente a implementação do Programa nessas unidades, com ênfase na reformulação dos respectivos Projetos Político Pedagógicos (PPP), em seus três aspectos principais: (1) Elaboração de Diagnóstico, (2) Mobilização e participação da comunidade e (3) Construção do Plano de Ação a ser seguido por cada unidade de educação infantil. Neste momento de apresentação das escolas, ficou ainda mais evidenciado o papel estratégico do PPP, construído de forma participativa, na busca da qualidade da Educação Infantil.
 
Importância do PPP para a Educação Infantil – Além do depoimento dos representantes dos três municípios parceiros, o seminário em Olinda teve a participação de convidados que reiteraram o papel estratégico do PPP, se tratado como um documento vivo, resultante de um amplo processo de participação de toda a comunidade escolar, na procura de uma Educação Infantil de Qualidade.
 
Gustavo Amaral foi o representante, no evento, da seccional de Pernambuco da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime). Ele citou Michael Young, a respeito da diferença entre “o conhecimento poderoso e o conhecimento dos poderosos”, como o educador inglês comentou no texto “Para que servem as escolas”.
 
“Ao contrário do conhecimento dos poderosos, construído de cima para baixo, temos o conhecimento poderoso, construído por todos e que empodera as pessoas. A construção participativa do Projeto Político Pedagógico, como foi implementado no Programa Primeiro a Infância, é um exemplo de conhecimento poderoso”, comparou Amaral.
 
O assessor educacional da Undime destacou ainda a relevância da educação infantil, como primeira etapa do sistema educacional brasileiro, que na sua opinião merece um olhar muito mais atento da sociedade e dos poderes públicos. Ele informou ter participado em Brasília, no dia anterior ao seminário em Olinda, do evento que divulgou os resultados do PISA-2015.
 
Realizado pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (PISA, na sigla em inglês) faz uma avaliação comparada, aplicada a estudantes de 15 anos de dezenas de países. Esta é a idade em que é pressuposto o término da escolaridade básica obrigatória na maioria dos países.
 
O PISA-2015 mostrou que os estudantes brasileiros nessa faixa etária continuam com proficiência menor do que os colegas dos outros países. O Brasil ficou em 63º lugar em Ciências, 59º em Leitura e 66º em Matemática, em um conjunto de 72 países avaliados.
 
Para Gustavo Amaral, os resultados do PISA-2015 confirmam que o Brasil precisa caminhar muito na educação escolar, começando na Educação Infantil, daí a importância de iniciativas como o Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade. Para ele, “a tríade Plano Municipal de Educação, Projeto Político Pedagógico e Educação Infantil” tem enorme potencial de resultados.
 
Também esteve no seminário Célia Santos, coordenadora da Rede Estadual de Apoio Técnico ao Monitoramento e Avaliação dos Planos Municipais de Educação em Pernambuco. Ela observou que os Planos Municipais de Educação enfatizam o acesso das crianças à Educação Infantil, mas também pressupõem a qualidade da Educação Infantil oferecida. A construção do Projeto Político Pedagógico das unidades de Educação Infantil de forma participativa, na sua opinião, contribui para reafirmar as concepções de Educação Infantil apontada em vários documentos, como a proposta da Base Nacional Comum Curricular, e também por movimentos sociais.
 
Um dos momentos mais emocionantes do seminário no Centro de Convenções de Pernambuco foi a ciranda, que envolveu a todos os presentes, coordenada por Cida Freire – assessora do Programa Primeiro a Infância – e por Adelsin, pesquisador em cultura popular e que ressaltou a relevância de maior atenção para as manifestações culturais típicas de Pernambuco, como formadoras da identidade cultural das crianças. Uma metáfora para o processo participativo na reformulação do PPP das unidades de Educação Infantil nos três municípios parceiros, marca central do Programa Primeiro a Infância, como comprovou o evento em Olinda.
 
 
 
 

15/12/16|

Seminário debate aprendizados do Programa Primeiro a Infância

No dia 7 de dezembro, um seminário no Centro de Convenções de Pernambuco debaterá os aprendizados do Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade, implementado desde 2015 em três municípios de Pernambuco. São esperados mais de 300 participantes.
 
O Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade é uma iniciativa do Fundo Juntos pela Educação, constituído por Instituto Arcor Brasil e Instituto C&A. A partir da premissa de que a infância deve estar no centro da agenda nacional e de que deve ter prioridade nas políticas públicas, o Programa visa contribuir com a qualidade na educação infantil dos municípios parceiros.
 
A Convenção sobre os Direitos da Criança, adotada pelas Nações Unidas a 20 de novembro de 1989, é uma referência importante para as linhas seguidas no Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade.
 
Os municípios de Cabo de Santo Agostinho, Camaragibe e São Lourenço da Mata, os três na Região Metropolitana de Recife, são o território de desenvolvimento do Programa, cuja implementação está a cargo da Oficina Municipal, organização contratada pelo Fundo Juntos pela Educação.
 
Planos municipais de educação – O primeiro passo para a execução do Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade foi o contato dos formadores do Fundo Juntos pela Educação com as secretarias de Educação nos três municípios.
 
Confirmadas as parcerias, veio o momento inicial de contribuição do Programa, na elaboração do que os respectivos Planos Municipais de Educação estavam tratando sobre Educação Infantil. Pelos termos do Plano Nacional de Educação, de 2014, os Planos Municipais de Educação (PMEs) deveriam ser elaborados ou revistos e depois aprovados pelas Câmaras Municipais até 24 de junho de 2015.
 
“Os três municípios já estavam formulando os seus Planos de Educação. Foi um momento importante para a aproximação com as equipes das Secretarias Municipais de Educação, visando maior alinhamento sobre os propósitos do Programa Primeiro a Infância”, observa Gustavo Adolfo Pedrosa Daltro Santos, gerente de programas da Oficina Municipal.
 
Projeto Político Pedagógico – Construídos e promulgados os Planos Municipais de Educação, com princípios e metas para os próximos dez anos, foi definido, em conjunto com os municípios, o Projeto Político Pedagógico (PPP) como o instrumento que colocaria em prática, nas escolas, o que os PMEs estabeleceram.
 
Ex-diretora de escola estadual, tendo atuado por muitos anos na rede escolar, e responsável na Oficina Municipal pela coordenação técnica do Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade, Oneide Ferraz Alves explica como foi a escolha do PPP como a ferramenta a ser trabalhada no segundo momento do Programa.
 
“É na escola que o Plano Municipal de Educação realmente é colocado em prática e o PPP foi escolhido porque ele é um instrumento de gestão que permite a participação de todos, da equipe gestora, dos educadores, dos funcionários, das famílias e dos alunos, na discussão sobre o que a unidade escolar pensa sobre si e projeta para os próximos anos”, afirma Oneide.
 
A coordenadora técnica salienta que, superados alguns receios iniciais, os PPP tornaram-se, de fato, elementos de grande valia para a mobilização de toda a comunidade das escolas, para a reflexão sobre o que pensam e executam ou podem aprimorar na Educação Infantil. “As concepções de Educação Infantil foram questionadas, as escolas ficaram muito mais atentas a pontos que podem levar a uma Educação Infantil de maior qualidade”, completa Oneide Ferraz Alves.
 
Uma das contribuições essenciais do Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade é que foi acentuado o papel do brincar como “eixo estruturante do cotidiano das crianças” nas unidades de educação infantil dos três municípios, observa por sua vez Cida Freire. Com longa trajetória na Educação Infantil em Pernambuco, ela atua como consultora do Programa desde o início de 2016.
 
“Brincar humaniza, é o jeito de estar da criança no mundo, é a forma dela se tornar mais solidária e explorar o espaço onde ela está”, assinala Cida Freire. Através do brincar, ela completa, são colocadas em prática as Diretrizes Curriculares da Educação Infantil, que indicam “os saberes que as crianças adquirem no contato com o grande banquete que a sociedade oferece em termos de patrimônio artístico, cultural e ambiental”.
 
Experiências em discussão – Será a experiência de cada município, na reformulação dos PPP das unidades de educação infantil, que estará em discussão no seminário do dia 7 de dezembro no Centro de Convenções de Pernambuco, entre 7h30 e 12 horas. Está prevista a participação de mais de 300 pessoas, entre educadores, gestores, funcionários, pais e alunos das três redes municipais, além de convidados de outros municípios da Região Metropolitana de Recife.
 
Entre os convidados estarão membros das novas equipes gestoras das Secretarias Municipais de Educação, que tomarão posse em janeiro de 2017. Serão as equipes que acompanharão a continuidade da implementação dos planos de ação previstos em cada um dos PPP construídos de forma participativa nas unidades de Educação Infantil nos três municípios.
 
 
 
 

29/11/16|

Encontros em Pernambuco debatem a qualidade na educação infantil

A qualidade na educação infantil, considerada como um direito das crianças, esteve no centro das discussões de encontros realizados entre os dias 18 e 20 de outubro, nos três municípios de Pernambuco parceiros do Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade, do Fundo Juntos pela Educação.
 
Participaram mais de 400 pessoas, entre gestores, educadores e outros profissionais das redes municipais de educação infantil em Cabo de Santo Agostinho, Camaragibe e São Lourenço da Mata. Os encontros representaram mais uma etapa do Programa que visa contribuir com a construção de uma educação infantil de qualidade nesses municípios.
 
Além das reflexões com os integrantes das redes municipais, nesses três dias a equipe do Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade fez, em conjunto com os gestores escolares e profissionais das secretarias municipais de Educação, a leitura dos Projetos Político Pedagógicos (PPP) já concluídos.
 
O Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade colabora com a educação infantil nos três municípios pernambucanos, desde a elaboração dos Planos Municipais de Educação, no primeiro semestre de 2015. Naquele momento, tratava-se de contribuir com a construção dos Planos, no que diz respeito à qualidade oferecida nas unidades de educação infantil.
 
O Projeto Político Pedagógico (PPP), de cada unidade escolar, foi o instrumento escolhido para a implementação do que os Planos Municipais estipulam para a educação infantil. Ao longo de 2016 foi então estimulada a construção ou revisão, de forma participativa, dos PPP das unidades de educação infantil nos três municípios, com o acompanhamento da Oficina Municipal, contratada pelo Fundo Juntos pela Educação para implementar o Programa Primeiro a Infância. Os PPP devem estar concluídos, no conjunto dos três municípios, até o final deste ano, para que possam ser colocados em prática a partir de 2017. Muitos PPP foram concluídos e já estão sendo implementados.
 
Educação infantil como direito – Os debates em torno do tema central dos encontros, que foi “O Currículo em ação: Práticas de Qualidade na Educação Infantil”, foram viabilizados a partir de exposição da Dra.Mônica Samia. Ela é consultora associada da organização Avante e coordenadora da implementação do Programa Paralapracá, iniciativa do Instituto C&A, igualmente voltada para a qualificação da educação infantil.
 
A concepção de educação infantil de qualidade apresentada pela especialista foi a de uma educação que respeita a criança, que a considera sujeito de direitos e que estimula o seu protagonismo. “E também uma educação infantil com um currículo de múltiplas linguagens, que parte das experiências da cultura local”, completa a consultora da Avante.
 
“Estes são alguns fundamentos, mas o importante é ver se eles são colocados em prática ou não, em cada instituição”, comenta Mônica Samia. Ela discutiu então, em conjunto com os gestores e educadores das redes nos três municípios pernambucanos, como colocar os fundamentos da educação infantil no cotidiano das unidades escolares.
 
Mônica Samia entende que a educação infantil está apenas no início de sua trajetória no Brasil, apesar de já ter acumulado avanços importantes, alguns expressos nas Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Infantil, de 2009. Entretanto, a especialista entende que o país ainda precisa superar “uma cultura de educação infantil muito assistencialista em suas raízes históricas”.
 
Além disso, ela considera que a educação infantil no Brasil ainda está muito centralizada na figura do professor, o que pressupõe práticas de um “poder verticalizado e um saber livresco”. Na sua opinião, o país tem assim, entre outros, o desafio de construir uma educação infantil que considere mais o protagonismo das crianças e incentive a curiosidade, a descoberta.
 
“Existe ainda uma forte contracorrente, que prega uma alfabetização cartesiana na educação infantil. As crianças podem aprender a ler e escrever, mas com um jeito próprio para isso”, avalia Mônica.
 
Um novo e importante avanço pode ocorrer, acredita a especialista, se o que vier sendo discutido em educação infantil no âmbito da Base Nacional Comum Curricular for realmente aprovado. “A concepção de educação infantil que está na Base Nacional é contemporânea, ela avança em relação às Diretrizes de 2009”, sustenta.
 
Dois desafios relevantes, assinala, referem-se à formação do pessoal que atua na educação infantil e à melhoria da estrutura física e de materiais, “área em que existe um gap histórico”, define. “Efetivamente a educação infantil implica em um custo, que precisa ser considerado. Então é preciso discutir o que comprar, como investir, com os recursos públicos existentes”, completa Mônica Samia.
 
 
 
 

28/10/16|