Entre os dias 25 e 27 de outubro a cidade de Sinop (MT) sedia o I Encontro Nacional de Educação Infantil Indígena e Quilombola e o VI Seminário Nacional de Educação Infantil do/no Campo. Os eventos acontecem no campus da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat).
 
Fomentar o atendimento das populações do campo e das comunidades indígenas e quilombolas na educação infantil nas respectivas comunidades representa a Estratégia 1.10 da Meta 1 do Plano Nacional de Educação (PNE).
 
Esse atendimento, segundo a Estratégia, deve acontecer “por meio do redimensionamento da distribuição territorial da oferta, limitando a nucleação de escolas e o deslocamento de crianças, de forma a atender às especificidades dessas comunidades, garantido consulta prévia e informada”.
 
Em 2016 o Brasil registrava 28.506 matrículas da educação infantil em comunidades indígenas, representando um crescimento desde 2013, quando foram registradas 22.612 matrículas, praticamente o mesmo número de 2009. Os dados são do Observatório do PNE, com base no Censo Escolar do MEC.
 
Por outro lado, em 2016 havia 37.877 matrículas da educação infantil em comunidades quilombolas, igualmente representando um movimento ascendente e contínuo, desde 2007. E as matrículas da educação infantil no campo eram 889.678, indicando uma grande oscilação desde 2009, quando somaram mais de 900 mil.
 
O I Encontro Nacional de Educação Infantil Indígena e Quilombola e o VI Seminário Nacional de Educação Infantil do/no Campo serão realizados com o objetivo de “socializar experiências, reflexões, experiências pedagógicas e trabalhos científicos que envolvem o trabalho educacional e as políticas públicas no contexto atual”.