Juntos pela Educação
Destaques Sem categoria

Programa discute Educação Infantil na Base Nacional Comum Curricular

O que diz a Base Nacional Comum Curricular no âmbito da Educação Infantil e como as suas concepções podem ser articuladas com o Projeto Político Pedagógico e as práticas educativas nas escolas? A questão foi discutida, no âmbito do Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade, com gestoras, coordenadoras pedagógicas e professoras dos seis municípios parceiros em 2018.
 
As reflexões foram feitas em encontros nos dias 9 e 10 de abril, a partir de exposição de Monica Samia, pesquisadora da organização Avante, de Salvador (BA). Monica foi uma das responsáveis pela implantação e implementação, em vários municípios do Nordeste, do Projeto Paralapracá, desenvolvido pela Avante com o apoio do Instituto C&A.
 
Diretrizes Curriculares – Monica Samia lembrou que o processo de construção da BNCC teve seus antecedentes e, na esfera da Educação Infantil, um dos marcos principais foi o documento das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil, de 2009. As concepções de criança e Educação Infantil presentes nas Diretrizes têm orientado as discussões sobre essas áreas, inclusive na formulação da BNCC, destacou a consultora da Avante.
 
Pelas Diretrizes, em seu artigo 4º, frisou, a criança é um “sujeito histórico e de direitos que, nas interações, relações e práticas cotidianas que vivencia, constrói sua identidade pessoal e coletiva, brinca, imagina, fantasia, deseja, aprende, observa, experimenta, narra, questiona e constrói sentidos sobre a natureza e a sociedade, produzindo cultura”.
 
Já pelo artigo 3º, o currículo da Educação Infantil é concebido como “um conjunto de práticas que buscam articular as experiências e os saberes das crianças com os conhecimentos que fazem parte do patrimônio cultural, artístico, ambiental, científico e tecnológico, de modo a promover o desenvolvimento integral de crianças de 0 a 5 anos de idade”.
 
Para Monica Samia, a BNCC, em termos da Educação Infantil, desdobra essas concepções de criança e currículo expressas nas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Ela nota que parte significativa da BNCC, no que se refere à Educação Infantil, tem como fundamento sobretudo os artigos 8º e 9º das Diretrizes de 2009.
 
O artigo 8º estabelece que “a proposta pedagógica das instituições de Educação Infantil deve ter como objetivo garantir à criança acesso a processos de apropriação, renovação e articulação de conhecimentos e aprendizagens de diferentes linguagens, assim como o direito à proteção, à saúde, à liberdade, à confiança, ao respeito, à dignidade, à brincadeira, à convivência e à interação com outras crianças” (com vários incisos e parágrafos a seguir).
 
Por sua vez o artigo 9º indica que “as práticas pedagógicas que compõem a proposta curricular da Educação Infantil devem ter como eixos norteadores as interações e a brincadeira, garantindo experiências que: I – promovam o conhecimento de si e do mundo por meio da ampliação de experiências sensoriais, expressivas, corporais que possibilitem movimentação ampla, expressão da individualidade e respeito pelos ritmos e desejos da criança; II – favoreçam a imersão das crianças nas diferentes linguagens e o progressivo domínio por elas de vários gêneros e formas de expressão: gestual, verbal, plástica, dramática e musical” (e mais 10 incisos na sequência).
 
Oportunidade histórica – Monica Samia lembrou que a construção da Base Nacional Comum Curricular contemplou um amplo processo participativo, sobretudo na formulação das suas duas primeiras versões. A terceira e última versão já foi divulgada pelo novo governo federal, com alterações em relação às duas primeiras, e depois discutida pelo Conselho Nacional de Educação e finalmente homologada.
 
Mesmo com as perdas em relação às propostas originais, ela entende que a BNCC representa, no âmbito da Educação Infantil, uma “oportunidade histórica para enfrentar desigualdades educacionais no que se refere ao acesso a bens culturais e à vivência da infância”. Ainda assim, alerta que há o risco de “potencializar lógicas com estruturas rígidas”.
 
Para ela, a concepção de Educação Infantil explicitada nas Diretrizes Curriculares e na BNCC rompe com os modelos de educação assistencialista e escolarizante e fundamenta um novo modelo, baseado na Lógica da Infância. A respeito, cita as caracterizações de modelos da Educação Infantil, apontadas por Lenira Haddad, pesquisadora e professora da Universidade Federal de Alagoas.
 
A lógica institucional, assinala, “é modelada por uma imagem da boa família e do lar”. A lógica da pré-escola, por sua vez, “sustenta-se pela racionalidade escolar de controle das práticas”. Nessa lógica, as metas e os objetivos estão voltados a uma relação formal de ensino-aprendizagem. O papel do profissional, acrescenta, é o do professor “que vê as crianças como aprendizes”. E a Lógica da Infância, de seu lado, coloca a criança no centro, ela é a protagonista, é considerada como um sujeito de direitos e não pode ser dividida, separada. Esta é a lógica da importância do brincar, do experimentar, como eixos do conhecimento.
 
Monica Samia salienta que, a partir dos princípios enunciados nas Diretrizes de 2009, a BNCC incorporou, na esfera da Educação Infantil, os Direitos de Aprendizagem e Desenvolvimento, que devem nortear as práticas neste nível: Conhecer-se, Conviver, Brincar, Explorar, Participar e Expressar. São Direitos, acrescenta, estruturados em tornos dos eixos Ético, Político e Estético.
 
Para fazer valer os Direitos de Aprendizagem e Desenvolvimento, e também tendo as Diretrizes como fundamento, a BNCC estabeleceu os Campos de Conhecimentos, que devem ser contemplados na Educação Infantil: O eu, o outro e o nós; Corpo, gestos e movimentos; Traços, sons, cores e formas; Escuta, fala, pensamento e imaginação; e Espaços, tempos, quantidades, relações e transformações.
 
Monica Samia concluiu suas apresentações nos municípios parceiros do Programa Primeiro a Infância propondo ser fundamental compreender as concepções e intencionalidades dos Direitos de Aprendizagem e Campos de Experiências previstos nas Diretrizes de 2009 e na BNCC de modo que sejam elaborados Projetos Político Pedagógicos (PPP) e planejadas práticas coerentes com os objetivos de aprendizagem e desenvolvimento. A formulação ou revisão dos PPP das unidades de Educação Infantil, de forma participativa, é o instrumento central do Programa Primeiro a Infância.
 
Em Monte Mor – O encontro de Monica Samia com diretoras de escola e coordenadoras pedagógicas de Monte Mor, além da equipe da Secretaria Municipal de Educação, foi no dia 9 de abril. “É uma ótima oportunidade reunir as diretoras e coordenadoras para discutir a Base Nacional e outros temas muito importantes”, afirmou a secretária municipal de Educação, Marli Eliza Brischi Domingues.
 
Diretora de escola no município, Alex-Sandra Pires Braga entende que o Programa Primeiro a Infância pode dar contribuição relevante na discussão do Projeto Político Pedagógico, de modo a envolver toda a comunidade e na discussão do currículo e práticas educativas.
 
Para a coordenadora pedagógica Natália Cassiano de Jesus, foi muito importante a discussão sobre a Base Nacional Comum Curricular, pois trouxe novos subsídios para a reflexão sobre a Educação Infantil no município.
 
 
 
 

Posts Relacionados

Programa Primeiro a Infância discute monitoramento das ações em fevereiro

Juntos Pela Educação

Fundo Juntos pela Educação celebra 15 anos de iniciativas inovadoras

Juntos Pela Educação

Após cinco anos, metas do PNE estão longe de serem cumpridas

Juntos Pela Educação

Deixe um Comentário