Juntos pela Educação
Destaques Sem categoria

Programa debate papel do diagnóstico para Projeto Político Pedagógico

Gestoras discutiram critérios para o diagnóstico do PPP (Foto Marina Fietta)
Gestoras discutiram critérios para o diagnóstico do PPP (Foto Marina Fietta)

Um diagnóstico adequado, com critérios bem definidos, é fundamental para a construção participativa de um Projeto Político Pedagógico nas unidades de Educação Infantil. Esta foi uma das conclusões do encontro regional do Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade, do Fundo Juntos pela Educação, dia 22 de maio, em Piracicaba (SP).

O encontro reuniu representantes dos seis municípios parceiros do Fundo Juntos pela Educação no Programa: Capivari, Mombuca, Monte Mor, Rafard, Rio das Pedras e Saltinho. O Programa Primeiro a Infância tem o objetivo de contribuir com a Educação Infantil de qualidade nos seis municípios, em sintonia com os respectivos Planos Municipais de Educação.

O Fundo Juntos pela Educação é composto pelo Instituto Arcor Brasil e Instituto C&A. A Oficina Municipal é a organização contratada pelo Fundo juntos pela Educação para a implementação do Programa.

A construção, de forma participativa, do Projeto Político Pedagógico (PPP) nas unidades de Educação Infantil nos seis municípios é o fio condutor do Programa Primeiro a Infância. Na primeira etapa, as equipes gestoras de Educação Infantil nos seis municípios se dedicaram à formulação de um Documento Norteador para a elaboração do Marco Referencial do PPP das escolas. O Documento Norteador vai orientar as unidades de Educação Infantil na construção do Projeto Político Pedagógico. O Marco Referencial é a primeira parte do PPP.

A partir de junho, os municípios vão trabalhar nas duas próximas etapas: a elaboração de um diagnóstico e a revisão ou construção dos PPP das unidades de Educação Infantil, com mobilização das comunidades escolares.

No encontro deste dia 22 de maio, a coordenadora técnica do Programa Primeiro a Infância, Oneide Ferraz Alves, da Oficina Municipal, destacou o papel essencial que tem um diagnóstico aprofundado e detalhado, sobre cada unidade de Educação Infantil, para a revisão ou construção do seu PPP. “O diagnóstico deve mostrar a realidade da escola, suas dificuldades e necessidades, mas também os seus potenciais, os recursos existentes que podem ser valorizados e utilizados. Em síntese, o diagnóstico deve apontar os pontos frágeis e os fortes da escola”, observou.

Organizadas em grupos e depois de forma coletiva, as equipes gestoras em Educação Infantil nos seis municípios participantes discutiram, sob a coordenação de Gustavo Adolfo Santos, vice-diretor da Oficina Municipal, os pontos centrais que devem aparecer no diagnóstico, considerando as dimensões Econômico-Financeira, Pedagógico-Organizacional e Sociocultural/Participativa.

Na dimensão Econômico-Financeira, estes foram os itens apontados e que devem constar do diagnóstico em cada unidade de Educação Infantil:
– Composição e origem dos recursos – Quais recursos temos na escola? Quais parcerias a escola busca?
– Transparência/Prestação de contas – Como é feita a prestação de contas? Como é realizada a divulgação da prestação de contas junto à comunidade escolar?
– Fiscalização – Quem fiscaliza a prestação de contas?
– Planejamento e Priorização dos gastos da escola – Os recursos são suficientes? Como fazer a priorização na aplicação dos recursos? Como é realizado o planejamento da aplicação de recursos?
– Processos de aquisição – Como são efetuadas as aquisições para a unidade escolar?

Os itens apontados na dimensão Pedagógico-Organizacional foram:
– Formação acadêmica da equipe;
– Formação continuada – Concepção de criança;
– Adequação do número de alunos ao espaço – Quantidade x Qualidade;
– Envolvimento dos pais na vida escolar dos filhos – Frequência em reunião de pais;
– Percepção da criança sobre a escola – Olhar da criança sobre a escola;
– Recursos pedagógicos – Brinquedos e outros;
– Práticas pedagógicas adequadas – Concepção de criança;
– Infraestrutura – Espaços internos e externos.

E na dimensão Sociocultural/Participativa, os itens apontados foram: – Participação da comunidade – Frequência em reunião de pais;
– Gestão democrática – Na unidade escolar a gestão é democrática?;
– Características socioculturais da comunidade – Religião, cultura e outras;
– Características socioeconômicas da comunidade – Profissão dos pais e outras;
– Acolhimento/Práticas de comunicação – Comunicação pais/escola;
– Composição familiar – Com quem o aluno reside.

As equipes das Secretarias Municipais de Educação continuarão a trabalhar com os temas para o diagnóstico, adaptando-os à realidade de cada município e suas escolas.

Comunicação – No encontro em Piracicaba, também foi discutida a importância da comunicação no âmbito do Programa Primeiro a Infância. Os participantes conheceram os detalhes dos instrumentos de comunicação do Programa, como site na internet (www.juntospelaeducacao.com.br), boletim eletrônico mensal para um mailing de assinantes e releases para a imprensa. Os participantes também foram convidados participar do grupo fechado criado no Facebook, com o nome Programa Primeiro a Infância. O grupo fará a divulgação de notícias e da agenda do Programa e também será aberto a postagens pelos seus integrantes.

Posts Relacionados

Programa Primeiro a Infância discute monitoramento das ações em fevereiro

Juntos Pela Educação

Fundo Juntos pela Educação celebra 15 anos de iniciativas inovadoras

Juntos Pela Educação

Após cinco anos, metas do PNE estão longe de serem cumpridas

Juntos Pela Educação

Deixe um Comentário