Juntos pela Educação
Destaques Principal

STF define e CNE regulamenta idade mínima para matrículas

Em Brasília, a definição das normas para matrículas (Foto Adriano Rosa)
Em Brasília, a definição das normas para matrículas (Foto Adriano Rosa)

No dia 5 de outubro o ministro da Educação, Rossieli Soares da Silva, assinou a Portaria Nº 1.035, homologando o parecer nº 2/2018, do Conselho Nacional de Educação (CNE), a respeito da idade mínima para matrícula na Pré-Escola e na Educação Infantil. O CNE, por sua vez, emitiu seu parecer, com base em decisão do Supremo Tribunal Federal (STF).

Conforme a decisão do Supremo e regulamentação do Conselho Nacional de Educação, a criança deve ter 4 anos de idade completos, até o dia 31 de março, para ter sua matrícula garantida na Pré-Escola. Do mesmo modo, a idade mínima para matrícula no 1º ano do Ensino Fundamental é de 6 anos completos, também até o dia 31 de março do ano respectivo.

Assim, as crianças que completarem 6 anos, após o dia 31 de março, serão matriculadas na Educação Infantil. Da mesma forma, as crianças que completarem 4 anos após o dia 31 de março serão matriculadas em creches, primeira etapa da Educação Infantil.

A portaria ministerial também estabelece que as crianças já matriculadas e frequentando instituições educacionais de Educação Infantil (creche ou pré-escola) devem ter a sua progressão assegurada, sem interrupção, mesmo que sua data de nascimento seja posterior ao dia 31 de março, “considerando seus direitos de continuidade e prosseguimento sem retenção”. As novas matrículas de crianças, tanto na Educação Infantil quanto no Ensino Fundamental, a partir de 2019, completa a portaria, “serão realizadas considerando a data de corte de 31 de março, estabelecida nas Diretrizes Curriculares Nacionais”.

O Supremo Tribunal Federal tomou sua decisão, a respeito das datas de corte para matrículas, no dia 1º de agosto de 2018. O STF deliberou sobre o assunto, em função dos diversos processos e decisões judiciais relacionadas à idade mínima de matrícula na pré-escola e Ensino Fundamental. O Supremo definiu então pela padronização das datas, considerando aquelas que haviam sido indicadas na Lei de Diretrizes e Bases da Educação, de 1996, e na Resolução CNE/CEB (Câmara da Educação Básica do Conselho Nacional de Educação) nº 6/2010.

Os Conselhos Estaduais de Educação também devem publicar suas regulamentações, com base na decisão do STF e resolução do CNE. O estado de São Paulo, por exemplo, tem normas próprias a respeito da idade de ingresso na pré-escola e ensino fundamental. Os Conselhos Estaduais de Educação devem, portanto, revogar suas normas próprias, para que a Portaria Nº 1.035 passe a entrar em vigor nos estados.

Posts Relacionados

Fundo Juntos pela Educação soma 15 anos de programas inovadores

Juntos Pela Educação

Programa pela Educação Integral apoiou projetos em quatro estados

Juntos Pela Educação

Programa contribuiu para a Educação Infantil em Pernambuco

Juntos Pela Educação

Deixe um Comentário